Logo Prefeitura de Salvador

Recorde de Inscrições para o Conselho Municipal de Política Cultural de Salvador

Publicado: 11/04/2024-10:20

As inscrições para eleitores do Conselho Municipal de Política Cultural de Salvador 2024-2026 atingiram um recorde impressionante, totalizando 1664 inscritos. Esse número reflete o comprometimento e o interesse da sociedade civil em contribuir para o desenvolvimento e a promoção da cultura em nossa região.

Diante desse volume inesperado e informamos que foi necessário ajustar o cronograma das eleições. O período de votação, inicialmente agendado de 15 a 19 de abril, agora passa a ser de 17 a 24 de abril.

Para manter todos os inscritos devidamente informados sobre os próximos passos e detalhes do processo eleitoral, solicitamos que fiquem atentos aos e-mails cadastrados durante a inscrição. Qualquer atualização ou informação adicional será enviada por esse meio, bem como nas redes oficiais da FGM e do CMPC Salvador.

Juntos, seguimos desenvolvendo política cultural mais assertiva e inclusiva em nossa cidade.

E, para quem quiser conhecer os/as candidatos/as, clica no link logo abaixo.

CMPC

O Conselho Municipal de Política Cultural é um órgão colegiado da Fundação Gregório de Mattos e integra o Sistema Municipal de Cultura (SMC) que exerce funções consultivas, normativas, deliberativas e fiscalizadoras da política cultural do Município.


CONSULTAR CANDIDATURAS

Polos Criativos Boca de Brasa iniciam as atividades 2024

Publicado: 08/04/2024-14:14

Aula Inaugural do Polo Criativo Boca de Brasa Itapuan/Malê Devalê tem programação especial com shows, apresentações artísticas e performances culturais, próximo dia 16

O Movimento Boca de Brasa não para! Após o mega evento de culminância das ações 2023, o Movimento idealizado pela Prefeitura de Salvador, através da Fundação Gregório de Mattos (FGM), em parceria com a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Emprego e Renda (SEMDEC), segue com o início das ações 2024 dos Polos Criativos Boca de Brasa.

Os Polos Criativos são resultado do edital com o mesmo nome, onde as organizações selecionadas desenvolvem um cronograma de atividades em todos os cinco polos/espaços Boca de Brasa, além do lançamento de dois novos: Polo Criativo Boca de Brasa Federação/Gantois e o Itapuan/Malê Debalê, em parceria com o ICEAFRO. Em breve, acontece a entrega do Polo em parceria com a Fábrica Cultural.

Escolas Criativas Boca de Brasa – o programa artístico-cultural Escolas Criativas Boca de Brasa, dá início a mais um ano de atividades, abrangendo os cursos de audiovisual, gastronomia, música percussiva, sonorização, contrarregragem, dança afro, figurino e adereço e turismo cultural e comunitário. A aula inaugural no Polo Criativo Federação/Ganotis aconteceu no dia 02 de abril. Já a do Polo Criativo Itapoan, com sede no Malê Debalê, acontece no próximo dia 16 (terça-feira), às 15h, com apresentação de dança afro, Rei e Rainha do Malezinho – Kailla Louise e Ivan Lucas Cardoso, participação do grupo de dança Malê Transição e DJ Branco.

A Escola Criativa Boca de Brasa, em parceria com o ICEAFRO e a Fundação Gregório de Mattos, tem como objetivo fomentar a cultura e estimular a criatividade na cidade. Os Polos Criativos Boca de Brasa são espaços territoriais que oferecem uma variedade de atividades formativas, de produção, articulação, difusão, circulação e fruição cultural.

Os cursos oferecidos são destinados a jovens e adultos interessados no campo da cultura ou da economia criativa e são compostos por laboratórios socioemocionais e de mídias sociais, além de cursos específicos para cada Polo. Durante o programa, os participantes terão acesso a atividades complementares, como visitas técnicas a centros culturais e cineclubes, bem como apresentações culturais.

As aulas inaugurais contarão com apresentações artísticas e performances culturais, seguidas por atividades opcionais em diversas áreas. Ao final do programa, os participantes receberão um certificado de conclusão totalizando 90 horas de formação.

Aceleração Boca de Brasa – após o primeiro ano de atividades da Escola Criativa Boca de Brasa que promoveram formação continuada em artes e cultura e premiação de projetos, a FGM, em parceria com a Associação Conexões Criativas, lança o Programa de Aceleração de Iniciativas Culturais e Criativas, desdobrando e consolidando os resultados já alcançados no ano passado.

Até o dia 14 de abril, estão abertas em www.acelerabocadebrasa.com.br as inscrições para iniciativas artístico-culturais, individuais ou coletivas, que já tenham participado de atividades formativas oferecidas pelo Boca de Brasa e vinculadas às regiões de Cajazeiras, Centro/Brotas, Cidade Baixa, Subúrbio/Ilhas e Valéria. Quinze propostas selecionadas irão cumprir um percurso de capacitação de maio a dezembro de 2024, recebendo um total de R$ 30 mil para custeio de participação e execução de seus planos, contabilizando um investimento público de R$ 450 mil.

O Programa de Aceleração de Iniciativas Culturais e Criativas envolve atividades de diagnóstico, planejamento, capacitações, mentorias e apresentações das propostas contempladas, que focarão no estímulo ao fortalecimento das artes e da cultura nas suas diversas formas de expressão, bem como em estabelecer vínculos com os territórios elencados, sejam pela participação de seus agentes, pelo público-alvo destinado, pela temática abordada ou pela realização das atividades. O objetivo é capacitar essas iniciativas artístico-culturais, auxiliando na identificação de suas características, seus modos de atuação, fragilidades e potencialidades, para elaborar, colaborativamente, caminhos para oportunidades, parcerias e estratégias de sustentabilidade.

Cada iniciativa selecionada receberá uma Bolsa Estímulo no valor de R$ 10 mil, para custear despesas relacionadas à participação de seu(s) integrante(s) nas atividades previstas no programa, bem como um Capital Semente, no valor de R$ 20 mil, para a execução do plano de ação a ser desenvolvido durante o processo. Para tanto, é necessário cumprir com assiduidade e comprometimento as demandas de trabalho integrantes do Programa, numa dedicação média de 20 horas semanais.

De Salvador para o Brasil: como o Movimento Boca de Brasa revoluciona a cultura e a economia das periferias

Publicado: 27/03/2024-15:34

Em três dias de manifestações artísticas, periferia de Salvador fura bolhas e conta sua história no centro da cidade

As periferias do Brasil são verdadeiros berços de criatividade e diversidade cultural, pulsando com uma energia única que transcende as limitações econômicas e sociais impostas sobre elas. Nesses espaços, encontra-se uma profusão de expressões artísticas, manifestações culturais e tradições ancestrais que ecoam através das ruas, vielas e praças.

É um ambiente onde a música, a dança, a gastronomia e as artes visuais se entrelaçam de maneiras surpreendentes, refletindo as histórias, os valores e os sonhos das pessoas que ali habitam. Essa riqueza inventiva não apenas enaltece o tecido cultural do país, mas também exerce um poder transformador, oferecendo uma fonte inesgotável de inspiração, resistência e resiliência para as comunidades periféricas.

Conforme a pesquisa do Data Favela 2023, se as favelas brasileiras formassem um estado, seria o terceiro maior do Brasil em população. Segundo dados, o número de favelas dobrou na última década, totalizando 13.151 no país. A renda movimentada pela população dessas comunidades também aumentou, e quebrou a barreira dos R$ 200 bilhões, R$ 12 bilhões a mais em relação ao último ano. Atualmente, são estimados 5,8 milhões de domicílios em favelas com 17,9 milhões de moradores.

Esses números revelam a dimensão das favelas no Brasil. Com um crescimento exponencial tanto em número quanto em renda, as favelas não podem mais ser ignoradas como meras margens da sociedade. Elas são o coração pulsante de uma força cultural e econômica significativa.

É nesse contexto de vitalidade que em Salvador o Movimento Boca de Brasa encontra suas raízes, reconhecendo e celebrando o potencial infinito das periferias como catalisadoras de mudança e renovação em toda a sociedade brasileira. O que começou como um festival evoluiu para um movimento abrangente, enraizado na missão de promover oportunidades, visibilidade e conexões em todas as direções.

Mais do que simplesmente trazer artistas para o palco, o Boca de Brasa se propõe a abrir portas para empreendedores, líderes comunitários e jovens das periferias, oferecendo trilhas formativas que capacitam esses agentes a moldar ativamente o futuro de suas comunidades. Essa abordagem além de celebrar a diversidade cultural, também estimula o desenvolvimento de uma sociedade mais inclusiva em todos os aspectos, conforme explica Fernando Guerreiro, Presidente da Fundação Gregório de Mattos.

Eu diria que a periferia de Salvador é um lugar muito potente com as mais diversas linguagens artísticas, com uma população extremamente criativa e organizada com movimentos e grupos muito fortes, além de iniciativas consistentes e uma identidade inquestionável. Arrisco a dizer que a grande força da cidade de Salvador está na periferia”, pontua Fernando.

Os espaços físicos do Boca de Brasa não são apenas locais de entretenimento, mas sim epicentros de atividades culturais que impulsionam o desenvolvimento humano, social e econômico das regiões onde estão inseridos. Eles fortalecem as identidades locais, estimulam o surgimento de novos grupos e coletivos, e elevam a participação de artistas e agentes culturais em instâncias de tomada de decisão.

É através desse movimento que é possível enxergar a expressão cultural das periferias e sua capacidade de gerar mudança. À medida que ele se expande, seus efeitos reverberam além dos palcos e das telas, permeando os tecidos sociais e econômicos das comunidades periféricas.

O Movimento Boca de Brasa é um projeto muito impactante na vida dos jovens e adolescentes da periferia porque ele possibilita o aprimoramento do conhecimento artístico e dá visibilidade para os artistas desses locais. Eu sou um exemplo disso, sou de Castelo Branco, atriz desde os 15 anos, tenho minha empresa desde 2015 e na pandemia, em 2021, fiz um curso de Produção Cultural através de um dos projetos do Boca de Brasa para aprimorar meu conhecimento. Isso me fez crescer intelectualmente e promoveu a minha contratação na gestão de um dos espaços no ano seguinte ao curso”, conta Lais Almeida, produtora cultural.

Lais acrescenta que hoje, no Movimento Boca de Brasa 2024, retorna como produtora do festival através da Mil Produções. “Assim como a minha história, muitos outros jovens são transformados pelo Movimento Boca de Brasa, pois ele contribui para potencializar os artistas das periferias e pode ajudar significativamente para o crescimento desses artistas que, por muitas vezes, são invisibilizados”.

Não é só um festival, não é só um movimento; é um catalisador de esperança, oportunidade e progresso para milhões de brasileiros que há muito tempo são marginalizados. Além de mostrar o potencial das periferias, ele o alimenta, nutrindo uma narrativa de resiliência, criatividade e transformação que ressoa em todo o país.

E para que isso se mantenha é fundamental que o Brasil desenvolva e apoie projetos sociais que estejam profundamente enraizados nas realidades e necessidades periféricas. Muitas vezes, as políticas e programas sociais são concebidos de forma distante e desconectada das comunidades que pretendem servir, resultando em iniciativas que falham em abordar questões urgentes e relevantes. “O projeto Boca de Brasa quer justamente chamar atenção sobre isso, trazer essas iniciativas para o centro, para chamar atenção da mídia, das empresas, do governo, da prefeitura e do Estado. Esse é o papel do Boca de Brasa, jogar luz sobre essa força, sobre essa potência periférica”, acrescenta Fernando Guerreiro.

Portanto, é crucial que qualquer projeto social seja construído a partir de um diálogo contínuo e genuíno com os moradores das periferias, reconhecendo suas experiências, desafios e aspirações. Somente assim é possível garantir que os recursos e esforços investidos gerem um impacto significativo e sustentável, promovendo verdadeiramente a inclusão e o desenvolvimento nos ambientes mais vulneráveis.

Movimento Boca de Brasa leva a periferia de Salvador para escrever sua história no Centro da Cidade

Durante três dias, a sétima edição do Movimento Boca de Brasa, evento cultural gratuito da cidade de Salvador e que tem como objetivo enaltecer a potência da periferia, levou todos os seus polos criativos para ocupar o Quarteirão das Artes da Fundação Gregório de Mattos, no centro da cidade.

O projeto surge como uma ode à inventividade e à vitalidade das periferias, elevando-se além do seu status original de festival para abraçar uma missão mais ampla e inclusiva. O movimento agora se desdobra por diversos espaços do Quarteirão das Artes, do Centro Histórico à Barroquinha, do Teatro Gregório de Mattos ao Pátio Iyá Nassô, redefinindo os limites do que é possível quando comunidades se unem em prol da criatividade e do empreendedorismo.

Com mais de 50 horas de programação, o Boca de Brasa torna-se um verdadeiro conjunto de expressões culturais, promovendo diálogos enriquecedores e oportunidades de negócios para os participantes. Oito painéis temáticos, abordando desde a essência das periferias até parcerias estratégicas e o papel dos festivais na transformação social, contaram com a participação de mais de 40 painelistas de renome, incluindo figuras icônicas como MV Bill, representantes da CUFA, e líderes de iniciativas como a Periferia do Futuro e os Festivais Elos.

Enquanto isso, mais de 30 apresentações artísticas, incluindo shows de Quabales e Favellê, ÀTTOOXXÁ e AFROCIDADE, ecoaram pelas ruas, imbuindo o ambiente com energia e vibração. A Feira Elabore, por sua vez, foi um verdadeiro tesouro de criatividade, reunindo empreendedores locais e seus produtos, desde acessórios e moda até gastronomia, ampliando as oportunidades de mercado e fortalecendo a economia criativa da região.

Neste redemoinho de atividades, cerca de 500 profissionais – artistas, produtores, técnicos, agentes culturais e empreendedores – se uniram, criando arte, entretenimento e oportunidades tangíveis. Com mais de 160 postos de trabalho diretos criados e um público estimado em 8000 pessoas impactadas, o Movimento transcende seu propósito inicial para se tornar um agente de mudanças sociais e econômicas em larga escala.

Além disso, o reconhecimento de 40 iniciativas culturais e criativas nos cinco polos do Boca de Brasa e a inauguração de seis novos polos, fruto de parcerias estratégicas com organizações da sociedade civil e a Secretaria Municipal de Educação (SEMDEC), são testemunhos do poder de transformação que essa ação tem.

O Movimento não apenas celebra a diversidade e a riqueza das periferias, mas também as capacita e inspira para construir um futuro mais inclusivo e vibrante. Ele cresceu e as pessoas curtiram. Uma ampliação que era projeto, passou a ser programa, depois de edital, passou para os polos criativos, tinha os festivais e virou movimento. Agora a ideia é fazer com que se transforme em políticas públicas”, finaliza Fernando Guerreiro.

A Prefeitura de Salvador, por meio da Fundação Gregório de Mattos em parceria com a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Emprego e Renda (SEMDEC), é a organizadora do Movimento Boca de Brasa. Diversos órgãos municipais, como SECULT, SEMOP, LIMPURB, Transalvador, Guarda Municipal, além de parceria com Cine Glauber Rocha, também contribuem para a realização do evento.

Foto: Lane Silva
Foto: Lane Silva
Foto: Lane Silva
Foto: Lane Silva
Foto: Lane Silva
Foto: Lane Silva
Foto: Lane Silva
Foto: Lane Silva
Foto: Lane Silva

Mais fotos: MOVIMENTO BOCA DE BRASA | Flickr

LEI PAULO GUSTAVO

Publicado: 04/08/2023-10:00

Este espaço é dedicado à prestação de contas e ao acesso às informações cruciais sobre o investimento em editais por meio da Lei Paulo Gustavo.

A Prefeitura de Salvador, através da Secretaria de Cultura e Turismo e da Fundação Gregório de Mattos, lançou quatro editais que representam o compromisso com o enriquecimento cultural e artístico de nossa cidade.

Aqui, estão reunidas todas as informações sobre como os recursos da Lei Paulo Gustavo, oriundos do Governo Federal, e a suplementação da Prefeitura de Salvador estão sendo investidos de maneira responsável e estratégica.

Nosso objetivo é oferecer a você, cidadão e artista, a oportunidade de entender, acompanhar e avaliar de forma transparente o processo de alocação desses recursos.

Navegando por esta seção, você encontrará informações detalhadas sobre os quatro editais: SalCine, Territórios Criativos, Salvador Cidade Patrimônio e Gregórios – Ano III. Isto inclui dados sobre os valores alocados, critérios de seleção, prazos e, mais importante, a prestação de contas de como esses investimentos estão contribuindo para o crescimento cultural e artístico de Salvador.

Estamos comprometidos com a transparência e a responsabilidade em cada passo desse processo, e esperamos que você, como parte integrante dessa comunidade cultural, possa encontrar aqui as informações necessárias para se envolver ativamente em nossa missão de fortalecer a cultura e o patrimônio da cidade. Juntos, estamos construindo um Salvador culturalmente mais vibrante e inspiradora.

INVESTIMENTOS POR ENTE FEDERATIVO (UNIÃO E MUNICÍPIO)

  • MINISTÉRIO DA CULTURA – INVESTIMENTO FEDERAL LPG PARA SALVADOR – R$ 22.959.447,83
  • PREFEITURA DE SALVADOR – INVESTIMENTO MUNICIPAL PARA LPG – R$ 7.400.000,00
  • INVESTIMENTO TOTAL: R$ 30,3 MILHÕES

Skip to content